sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Dúvidas, incertezas e preocupações sobre a proposta de divisão do Estado do Pará.

* As dívidas contraídas pelo Estado serão assumidas por quem?

* Quais serão os quantitativos tributários atuais e projetados para cada Estado?

* Os custos de implantação das novas unidades como serão dimensionados e qual a previsão orçamentária?

* Quais impactos ambientais incidirão sobre as regiões divididas?

* Quais são as perspectivas de melhoria da qualidade de vida nos Estados-mãe e nos Estados que pretendem ser criados?

Alguém aí da bancada separatista sabe responder minhas dúvidas?

3 comentários:

  1. Prezado Deputado Zenaldo Coutinho,
    Tenho certeza que você é contra a divisão e tem todos os questionamentos porque não conhece, ou mesmo não faz questão de conhecer, o povo do interior do estado que sofre as mazelas dos governos que, historicamente, são tendenciosos na distribuição dos recursos do Estado do Pará.
    Os projetos que estão no Congresso são para realização de consulta popular efetivando um direito CONSTITUCIONAL do POVO paraense opinar sobre a criação de novos estados. O que o Sr. está querendo é apenas privar-nos de um direito por nós adquirido. Esse será apenas um meio de inciar os debates e responder muitas questões como essas que o Sr. mesmo colocou.
    Deixe-nos pensar e opinar sobre o nosso futuro! Deixe-nos discutir se é ou não viável criar novos estados! Deixe-nos dizer que o povo do INTERIOR do Pará sofre com a má distribuição dos recursos públicos! Deixe-nos ser um povo mais ativo! Deixe-nos viver numa sociedade efetivamente democratica!

    ResponderExcluir
  2. Prezado Rennan José.
    Como fazer plebiscito,ou seja ,fazer campanha favorável ou contrária,sem informações sobre a viabilidade dessas divisões?
    E se o povo disser sim no plebiscito e depois os estudos provarem ser inviável a divisão?não seria brincadeira de mal gosto com o povo esse faz de conta?

    ResponderExcluir
  3. Voce mesmo ja disse que solicitou por varias vezes estudos que, ate agora nao foram feitos. Entao, como ficar esperando por estudos que nunca sao feitos?
    Acredito que o Plebiscito e uma forma de se fazer uma discussao aberta, inclusive com o incnetivo a realizacao de estudos que mostrem ou nao a viabilidade de criacao de novos estados.
    Espero que o Sr. concorde comigo que, ALGUMA COISA TEM QUE SER FEITA PARA OCORRER MUDANCA. Ficar como esta, nao da!

    ResponderExcluir

Atenção:

Os comentários aqui publicados não refletem a opinião deste site.

Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos seus autores.

Este blog reserva-se ao direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros ou ao autor deste canal.

Textos de caráter promocional também serão excluídos.